sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Flying... in Paradise

*Para todos os preocupados, eu só precisava de umas boas noites de sono. Mesmo muitas. Muito obrigada pelos comentários e por todo o apoio*


Uma borboleta.
Uma bonita borboleta. Não precisa de ser nada de especial.
Agora imaginem que ela transpõe toda as barreiras deste mundo e do outro, toda a tristeza e solidão.
Imaginem que ela atinge o paraíso, a perfeição.
Olha à volta.
O paraíso é tal como imaginou. É radioso, esplendoroso, magnífico, macio... Mas é silencioso...

Onde estão os pássaros a cantar?
Onde estão os miúdos a tentar apanhá-la?
E as gargalhadas de horas de diversão?
E as bolhas de sabão, e os desabafos no parque, e as ondas a rebentarem?
Para onde foi o barulho?
E a música?

Ela olha lá para baixo, através de barreiras de sofrimento e dor, e vê o mundo de onde saiu. Aqui é tudo tão perfeito... Mas lá em baixo está tudo o que ela gosta...

Volta passar por aquelas barreiras, que doem mais a cada passagem.
O seu lugar não é, nem nunca será, num local perfeito e solitário.
Ela precisa de crianças a persegui-la, de abelhas ao seu lado, do vento a oscilar por entre as suas asas.
Porque sem isso, ela nunca será feliz.


SM** Cappuccino
Como eu tinha saudades de ouvir tudo e mais alguma coisa a restolhar aos meus ouvidos sem ter importância nenhuma...

"Podemos sofrer no deserto e, no entanto, amá-lo. De resto, é por causa desse sofrimento que o amamos." Saint-Exupéry

4 comentários:

Nêss. disse...

*-* Assim o farei, embora sejam mentiras tão apeteciveis..

Carla disse...

Absolutamente delicioso. Tudo bem com vocês? Parece que também por aqui andavam os sonos em atraso eh eh eh já somos duas, isto esta a ficar bem complicado para fazer tudo o que nos vai na alma... Um super beijão e uma boa semana

Alexandra disse...

Oh, obrigadaa :$

Gostei imenso :) *

Pedaços de Tempo disse...

Penso que, essa borboleta terá que tentar um novo caminho. O caminho que a leve até ao paraíso tal e qual como ela o imaginou.

É certo que a “noção de paraíso” difere de alma para alma, em que aquilo que é um deserto para uns, poderá ser um verdadeiro oásis para outros. Contudo, o meu, tal como o dessa borboleta, tem de ter crianças, muitas crianças a correr às gargalhadas, cantando e brincando...

Se assim não for, então estou muito bem por cá...

Gostei deste “passeio” da tua Borboleta!

Abraço,
CR/de

P.S. Não precisas de agradecer os conselhos e apoio, foi um prazer :)