segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Fly

Deixa-me voar por aí sem rumo.
Não tentes impedir-me desta vez.
Ou melhor: tenta.
Faz tudo o que quiseres para me impedir de voar
E eu vou mostrar-te.

Mostrar-te-ei a ti e a todos,
Que vôo porque quero e não porque outros me obrigam.
Mostrar-te-ei, a ti e a todos, que nada me sabe melhor do que flutuar pelos céus da liberdade, a verdade nua e crua a bater com força na cara, os olhos a lacrimejarem saudade, as asas a implorarem por mais.
Mostrar-te-ei que não me conheces, que nunca ninguém me conheceu verdadeiramente.

Porque, se é verdade que vôo livremente,
É ainda mais verdade que vôo contra o vento.
E o vento, esse, muda a cada dia.


SM** Cappuccino
(Hoje baunilha, amanhã chocolate)

5 comentários:

lígia disse...

obrigada. acho que é o post mais simples que tenho. mas foi o que me saiu da alma quando escrevi. o que me apetecia escrever.
beijinho grande

Sofia Carvalho disse...

Porque, se é verdade que vôo livremente,
É ainda mais verdade que vôo contra o vento.

E o vento, esse, muda a cada dia...

Lindíssimo only me, este poema cheio de força..;)
Beijos minha querida

Fabiana Gomes disse...

Tão lindo !

Meio Cheio disse...

Voa sim =D...a vida é curta demais para mantermos sempre os pés no chão, voar é provar que podemos ir mais além...é provar do que somos feitas.
E tu deves ter umas belas asas =D
beijinho*

Fabiana Gomes disse...

obrigada pelo comentário de força :)
trata-se de uma pessoa que eu nao gosto e vou escrever sobre isso no meu blog entretanto.. um pequeno sacrificio que tenho de fazer... e por vezes a minha paciencia vai ao limite ! Obrigada mesmo :)